LUFTHANSA JÁ VOA COM O AIRBUS A320NEO

Menos ruidoso e mais eficiente: quase 50 por centro menos emissões – 15 por centro menos consumo de combustível e de emissões de CO2 – Primeiros destinos Hamburgo e Munique – Novo arranjo da cabina para utilização mais eficiente do espaço e com um máximo de 180 lugares

Desde fevereiro, a Lufthansa opera aviões Airbus A320neo, tendo sido a primeira companhia aérea do mundo a operar com este modelo de avião. Carsten Spohr, CEO da Deutsche Lufthansa AG, Fabrice Brégier, CEO da Airbus, David Hess, o Presidente de Pratt & Whitney e Robert Leduc, Vice-Presidente Executivo e CCO da Aerospace for United Technologies fizeram uma viagem especial para Hamburgo-Finkenwerder para celebrar a entrega o primeiro A320neo do mundo. A entrega do Airbus A320neo marcou outro passo em frente para a “frota de três litros” (por passageiro e 100 quilómetros) e que contribui significativamente para redução de ruído.

"Muito nos apraz termos sido a primeira companhia aérea do mundo a operar um Airbus A320neo. As tecnologias de ponta da Airbus e da Pratt & Whitney fazem com que o A320neo seja o avião mais eficiente e menos ruidoso existente para voos de pequeno e médio curso. O baixo consumo de combustível resulta em baixas emissões de CO2 e dão ao A320neo uma pegada de carbono melhorada. A nova tecnologia do motor torna o avião mais silencioso", referiu Carsten Spohr, Presidente do Conselho de Administração e CEO da Deutsche Lufthansa AG. "Provamos assim mais uma vez que como grupo de aviação e de companhias aéreas continuamos a ser pioneiros no desenvolvimento e na introdução de inovações tecnológicas. Este ano o Grupo Lufthansa irá receber um total e 52 aviões novos para as suas companhias aéreas". 

O que torna o A320neo especial são os novos motores e a aerodinâmica melhorada. "neo" significa "New Engine Option" (nova opção de motor). O avião é 15 por cento mais eficiente nos gastos de combustível em relação a outros modelos comparáveis. Os seus dados em termos de relação de ruído são também impressionantes: os 85 decibéis (no máximo) de um A320neo na descolagem são aproximadamente 50 por centro mais baixos do que os do atual A320. De acordo com as normas de certificação, as emissões cumulativas de ruído são aproximadamente 29.8 dB mais baixas do que os limites aplicáveis da ICAO, o que representa um avanço significativo em termos de redução de ruído e de emissões comparado com a frota atual. 

Tal é possível graças à nova tecnologia do motor. Os motores PW1100G têm tecnologia turbofan, que origina uma redução significativa dos níveis de ruído e de consumo de combustível. O Grupo Lufthansa irá receber 60 aviões neo com motores PW1100G.

Além dos motores com nova tecnologia, todos os novos aviões A320neo e A321neo vão ser entregues com geradores vortex, que têm um efeito adicional de redução de ruído. As asas estão equipadas com pontas em forma de vórtice, desenvolvidas recentemente. Os winglets (sharklets) de 2,4 metros de comprimento permitem baixar o consumo de combustível graça às vantagens aerodinâmicas daí resultantes. 

O A320neo tem um total de 180 lugares em Business Class e Economy Class. Na cabina, as cozinhas e as casas de banho, na parte posterior e anterior do avião, foram reorganizadas, permitindo uma melhor utilização do espaço disponível. Os passageiros da Business Class têm assim mais espaço para as pernas nas filas da frente. A Economy Class ganhou duas filas adicionais, num total de 12 lugares.

O Grupo Lufthansa encomendou um total de 116 aviões do tipo neo, 45 dos quais na versão maior do A321neo. Estes novos aviões irão ficar ao serviço da Lufthansa e da Swiss. Esta encomenda representa um investimento de 13,3 mil milhões de dólares americanos, segundo o preço de lista. Até ao final de 2016, um total de cinco aviões A320neo deverão ser entregues à Lufthansa e entrarão ao serviço na placa giratória da Lufthansa de Frankfurt. A frota atual do Grupo Lufthansa está a ser profundamente renovada. A encomenda do Grupo mostra um total de 251 aviões novos a um preço de lista de aproximadamente 30 mil milhões de euros, que irão ser entregues até 2025.